Entrevista a João Neves – ITR

Entrevista a Rui Simões – PixelStudio
31/08/2015
Meet Martin Bednar from IxD
30/10/2015

Entrevista a João Neves – ITR

Falámos com o João Neves da ITR, um dos membros da comunidade IDEIA, onde teve a generosidade de partilhar alguns dos seus interesses, experiência e conselhos para quem quer empreender.

Olá João, pode falar um pouco sobre a ITR?

 Olá IdeaiaHub. A ITR (International Thermal Refractories) é uma empresa especializada na instalação de material refractário em todos os tipos de indústrias: do alumínio à siderurgia; vidro; cerâmica; cimento e petroquímica, entre outras. Certamente seremos a empresa mais recente do mercado refractário, visto que iniciámos a operação em Junho de 2015! Apesar de haver variadíssimas empresas, sendo este um nicho de mercado complicado de sobrevivência, conseguimos encontrar uma janela de oportunidade que não estava explorada, ou seja, ser uma empresa versátil e verdadeiramente adaptada às necessidades do cliente, pois desejamos funcionar sempre em parceria. Pensamos que o nosso lema vai ao encontro das expectativas de cada um: “Global Refractory Solutions”.

 

Qual foi a sua motivação para montar o seu negócio?

Diria que fui forçado! J. Depois de 13 anos de experiência em empresas do refractário, 7 dos quais em posições de chefia, fui aliciado por parceiros/clientes a avançar num negócio próprio, pois o know-how e confiança sempre extravasaram o nome da empresa. Desde sempre que valorizei o valor Humano em detrimento de outros indicadores, sendo esta a peça chave. Se havia dúvidas, cada vez concordo mais que as pessoas são o elemento preponderante nas empresas e não o contrário!

 

Qual foi o maior desafio que encontrou até hoje como empreendedor?

Gerir emoções, ou seja, não pensar puramente como patrão da empresa, mas sim como líder de massas. Gerir pessoas não é para qualquer um, e nem todos estão preparados para tal desafio. Desta forma, é perfeitamente expectável que apenas algumas instituições tenham sucesso e outras estejam condenadas ao fracasso. Porquê? O líder da organização pensa que é chefe, mas ainda não tomou consciência que nunca foi ou será. Inclusivamente instrui os seus empregados sem saber do que fala!

 

Que musica gosta de ouvir enquanto trabalha?

Não existe um género pré-definido pois gosto de ouvir todo o tipo de música. Aliás, no dia-a-dia oiço rádio, não havendo sequer uma preferência imediata, ou seja, tanto posso estar na comercial e mudar para Antena 3 e de seguida M80 terminando o dia na Marginal. J

 

Quais os livros que está a ler agora?

Ultimamente, tenho lido mais livros técnicos por força da actividade profissional. Contudo, leio igualmente outro tipo de géneros. Hoje em dia, estou a ler “A Rapariga no comboio” de Paula Hawkins.

 

Qual foi o melhor conselho que recebeu até hoje?

 O verdadeiro sucesso vem do poder pessoal.

 

O que gosta de fazer nos seus tempos livres?

Gosto de passear e viajar; conviver com amigos e família; ir ao cinema e teatro; ver e jogar futebol; jogar golf; fazer windsurf… Diria que existem muitos hobbies mas pouco tempo livre. 🙂

 

Quais são as apps e gadgets que são essenciais no seu dia-a-dia?

Pelo contexto profissional uso aplicações orientadas a essa situação, nomeadamente: Camscanner; Tap Portugal; Booking; Skype, Whatsapp…

Gadgets: Iphone e Ipad

 

Reconhecer os próprios erros e saber receber críticas ajudam na evolução pessoal de um empresário?

Certamente que sim. Sempre assumi os erros, pois os mesmos fazem parte da construção interior da pessoa. Ninguém nasce ensinado, e como tal, a aprendizagem é essencial para a contínua evolução. Quem não admite o erro não valoriza a essência do ser humano. A velha máxima faz todo o sentido ser aplicada neste contexto, ou seja, “o único homem que jamais erra é aquele que nunca faz nada”.

Como líder nesta e outras organizações, sempre fui liberal quanto baste, com o intuito de estimular o crescimento de cada um. Não critico o erro, pois uso-o como análise construtiva de futuro.

 

Que conselhos daria às pessoas que querem ser empreendedoras?

Em termos muito sintéticos diria o seguinte:

– Façam e arrisquem sem medo, pois esse sentimento estará sempre presente nas vossas vidas, e só assim existe adrenalina para entrar em algo novo e aliciante. Sou da opinião que para atingir o verdadeiro papel de empreendedor é necessário ser inovador e trabalhador. Sem trabalho e esforço nada se alcança. Por último realçar, que um novo projecto não deve ser o fim para ganhar dinheiro mas sim o meio. Parafraseando o economista João César das Neves “Não há almoços grátis”.

 

O que o levou a escolher um centro de escritórios colaborativo para trabalhar?

Tendo como base a startup que somos, faz todo o sentido iniciar algo bem estruturado e sem custos indirectos que impossibilitem o crescimento adequado. Neste momento desejamos estar focados no negócio e ter um parceiro que organize situações alheias.

 

Porquê o IDEIA?

Depois de uma vasta pesquiza, tendo inclusivamente trabalhado com concorrentes directos da Ideiahub, verifico que foi e é a melhor opção. A qualidade e excelência do serviço; a localização premium; o preço competitivo e ainda a qualidade do ambiente existente proporciona as necessárias condições ao sucesso. Continuem assim…

 

Obrigado João e continuação de bons negócios!

Website: www.itr.pt

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *